sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

Desencontro

O que me impede
de soletrar as palavras à tua boca
enquanto imersa nos teus sonhos
te sentes embalar
e mais te embalas na madrugada fora
que para mim é mais um dia
trazendo com ele o mar, o céu e a terra.

Olhamos para cima e vemos os astros
um a um em cada lugar
e à medida que as estrelas se perdem
em imemoriais desencontros
somos apenas mais um
nesta terra.

Olhando o céu azul
que se estende no horizonte
e ao olhar em frente
só o mar, só o mar
que se recolhe em cada passo da maré

E somos fogo,
ardemos no nosso desencontro
e apenas suscitamos o destino
que implacável nos junta novamente
E somos um para o outro
miragem de ver o mundo
com os nossos olhos
sendo meus os teus
e teus os meus