sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

Madrugada

Acordo em cada madrugada
e são teus olhos que vejo a primeira vez
como duas pétalas douradas
perto de um rio se consomem
em labaredas de amor.
E em cada gesto teu
é o orvalho de uma noite húmida
que me faz te abraçar
para que nos meus braços
te sintas balançar.
Terra húmida
sonho combalido 
que soa como um sino
na alegria rasgada de um gesto.