terça-feira, 4 de fevereiro de 2014

Mergulhando

Mergulhamos na alma de um pensamento
e enquanto submergimos nessa verdade
somos pó, terra e chão
imersos de nossa vaidade

De quantos nós firmes se faz
as palavras que nos enlaçam
para que nesse sentido 
se faça luz em nossos olhos

Rezemos então à divindade
que nos traga a devoção
sentindo na nossa idade
apenas a triste razão

E o amor combalido
que se migra em cada trajecto
sente a flor que há em si
que é o seu manifesto