sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

Que me importa

Poesia: Que me importa

Que me importa
que em teus lábios
se pronunciem pequenas rimas de amor
quando o teu coração é negro
quando a tua alma
exorta o solsticio
que quebra o mar
na sua agonia
que fende sobre a rocha
quebrando-a na sua companhia
se as tuas palavras já não são
a secreta ilusão do que nos unia

Agora, que penso assim
que a morte te levou de mim
ja nao penso como eram tardes as letras
como eram imersas e secretas
quando tudo não passava de um embuste

E assim, perdida de mim
para te encontrares fendida num qualquer
quarto obscuro
com outro homem
peço que te libertes
do nosso pranto imaculado
que te cinjas em tua dor
de um coração combalido
e que quando um dia te recordes de mim
penses que o fim foi próximo do nosso fim.