domingo, 29 de setembro de 2013

Serena



Eras tu e só tu serena
Que na morte inventas-te o poema
E na vida a eterna solidão

Quando abençoada no céu
Eras tal uma ave magnífica
E em terra a cor azul

Despertas-te em mim o desejo
E um único dia era o ensejo
Da nossa comunhão

Quando abraçados fomos
Um e só um
na nossa secreta união