sábado, 8 de março de 2014

Adeus

Poema: Adeus

Adeus, adeus terna tristeza
que surges em minha alma
em forma
de melancolia

que te tornas versos
de um anjo perdido
que a meu lado caminha
protegendo meus passos

E quando a saudade aperta
sou voo de borboleta
e deixo o meu casulo
inebriado

por entre tormentos sem fim
em que me vi a mim desolado
sou mais do que ternamente fui
e fluem sobre mim todos os poemas

Declamo em minha passagem
em forma de sedução
de olhos de vaidade
de um só coração

E a pálida luz
que soa no verso em última estrofe
vem à procura
e resta apenas o medo da morte.