terça-feira, 4 de março de 2014

Noturno

Poema: Noturno

No múrmurio da noite
ouvindo o piar dos pássaros
de repente desencontro-me
e já não sei quem sou

As sombras que instingam
e me fazem perpetrar nesse vazio
ocorrem à minha presença
assustando-me

E imerso no silêncio
do bater do meu coração
perco-me ao encontro de mim
e as coisas perdem o seu significado