segunda-feira, 3 de março de 2014

Trevas

Poema: Trevas

Pergunto-me
do que me separa dessa porta de luz
e se as raízes que firmo no chão
me levarão às trevas
e é só luz, luz que perspassa o meu olhar

De súbito
as minhas raízes implodem na terra
e renascido vou até ao céu.

Será essa a luz que procuro?
Na incerteza
migro para o meu interior
e desabafo as minhas entranhas,
repudiando toda a escuridão.

Mas estou à beira da porta
e só vejo a sua imensidão.
Mas não consigo entrar
porque a luz fere meus olhos
e a alma não está preparada.

Imerso na lama
em que meus pés se firmam,
sujo esses últimos degraus,
que me afastam combalido para as trevas.

E só trevas, só trevas,
um trago ácido em meu estômago
e só trevas no meu olhar
que parece cegar.