segunda-feira, 31 de março de 2014

Constelações no céu púrpuro

Poema: Constelações no céu púrpuro

Surgem sombras
no há-de vir
como uma cortina de fumo
do meu eterno sentir

E nessa deambulação
são cravos despovoados
no meu coração
amargurado

Que se ressente de
toda a ilusão
de um dia
que surge para além da noite

E nessas incertezas
de mãos despidas de ternura
somos constelações
na escuridão de um céu púrpuro

E depreendesse o véu
e todo o teu corpo é meu.