segunda-feira, 7 de outubro de 2013

Chuva

Sinto a chuva cair nas minhas mãos
cândidas
tal como pétalas de um céu abençoado
que imerge de saudade

são como lágrimas
que uma a uma 
rebentam ao seu encontro
num bailado de sentidos

E é nessa chuva obliqua 
que me encontro
ela que molha a minha face
e me faz pensar de novo