sábado, 5 de outubro de 2013

Constelações

Longas vão as horas
na madrugada
que o céu incerto
nos traz nada
caindo no precipício
que o véu que o ilumina
mostra-nos o interstício
Ouço a tua voz longe
clamando por mim
dizendo para regressar
e deitar-me na tua cama
Acedo ao teu apelo
e somos duas constelações
trocando segredos
com a fúria das almas