sexta-feira, 4 de outubro de 2013

Perda

Sente-se a perda 
que recolhes no engano
vida que na despedida
se torna ferida
revelando o espírito do desencanto
que a morte espera

nesse fim 
acordas comigo a meu lado
nessa manha 
em que o nevoeiro se adensa à nossa beira

Sem poder ver
somos tomados por cegueira
que nos faz perceber
que o nosso amor é uma barreira
que há um muro a entender
esse perdão a conceder