domingo, 13 de outubro de 2013

Era tudo tão pouco

Meu amor,
o que nos unia era tão pouco
que as palavras se tornaram
um breve sufoco

E imerso no sonho
que em ti sonhou
foi tudo pouco de mais
o que em nós sobrou

Vindo de mim
com minha carícia te seduzia
morar em ti
já não o consentia

Foram tantos os desejos
e sonhos proibidos
tantos os ensejos
de pensamento traídos

Que o vento que soprava
em ti tambem
era tudo tão pouco
meu bem

E de quantas palavras
assim desditas
empregas-te na poesia
que fustigava e ardia

Pode concretizar
com tua voz
o que pouco havia
perdido em nós