quarta-feira, 9 de outubro de 2013

Imagino

Imagino
as fontes, os rios e os caudais
imersos nas águas
conduzindo por esse caminho
por entre os beirais
convergendo com a linha do mar
tu que te afirmas com a certeza de um teu olhar
absorto no meu
Beijando as pálpebras
como quem chama por ti
imerso nos lábios
que não esquecem o que vivi
empregas a saudade
dos rios e tais
imersos nas  águas que convergem com os caudais
convergindo com a linha ténue
do mar a que se abraça o breve horizonte
perdendo-se nessa sua mansidão.